Após queda de até 50%, Olimpíada reergue mercado da prostituição no Rio




Melissa*, de 25 anos, é uma novata nas ruas da Vila Mimosa. Pintou os cabelos crespos de loiro pois acredita que isso a valoriza. Ela tenta colocar a vida financeira em ordem no próximo mês. A jovem, que começou a se prostituir há três meses, precisa pagar a dívida da mãe com um agiota de Caxias, onde mora. Ela é mais uma menina que tenta lucrar com os Jogos Olímpicos vendendo o corpo — um mercado aberto a interessadas.

— Já tirei R$ 800 num dia só. Já paguei os juros. Espero pagar tudo com o dinheiro da Olimpíada — conta a moça.

Com a crise, o mercado na prostituição é de dificuldades. O faturamento nas casas de luxo caiu até 40% no último ano. Nas zonas mais populares, a queda chegou a 50%. A esperança é a Olimpíada. E, para isso, as casas de saliência estão reforçando seus times.

— Passamos de 50 para 80 meninas por causa dos Jogos. E todo dia aparecem cinco ou seis aqui querendo trabalhar — conta o gerente de uma casa na Barra da Tijuca.

O otimismo é grande na Vila Mimosa e no Centro. Pessoas ligadas ao setor, no entanto, afirmam que é na Barra — onde estão a Vila e o Parque olímpicos — que os dólares e euros irão jorrar. Já há relatos de atletas vistos nas casas. Além disso, pequenos prostíbulos foram abertos para festas particulares.

— Esses espaços não vão ter mercado depois do evento. Só abriram para os Jogos — contou uma fonte que trabalha há 30 anos no ramo.

Uma stripper e garota de programa com experiência na região da Barra prevê o fim das vacas magras. Enquanto ela dança, os estrangeiros enchem sua calcinha de dinheiro — hábito que não é difundido entre os clientes brasileiros.

Prostituir-se não é crime. Ter lucro sobre a prostituição de outra pessoa, porém, é, explica o advogado Luiz Felipe Diaz André. O pós-graduando em criminologia, que estuda o assunto, defende a regulamentação da atividade:

— A regulamentação das casas dá uma maior proteção mercadológica e contra a violência para as meninas.

Intérprete para a clientela

A euforia das termas na Barra não é compartilhada pelas colegas da Zona Sul. As principais casas da região não registraram aumento da procura. A percepção é a de que ficarão apenas assistindo às casas da Zona Oeste lucrarem com os Jogos. Roberto Rodrigues, de 62 anos, sócio da Monte Carlo, conta que o movimento triplicou durante a Copa do Mundo, em 2014, mas sente que será diferente agora.

A Vila Mimosa, por outro lado, está preparada para receber os turistas. Na Queen 46, as bandeirinhas colocadas na fachada para a Copa — já desgastadas pelos dois anos que se passaram desde então — ainda dão boas-vindas em cinco línguas. Já no Opção Night Clube, um minúsculo bar com varanda voltada para a Rua Sotero dos Reis, todas estão com um aplicativo de tradução no celular para facilitar o trato com os estrangeiros.

— Vamos fazer uniformes com o símbolo dos Jogos para que elas trabalhem nesse período. Os gringos estão chegando. Ontem mesmo (sexta-feira), um grupo de cubanos esteve aqui com um intérprete — conta o responsável pelo local, Élvis de Oliveira, de 35 anos.

— A gente já sente as coisas melhorarem. Acho que isso vai bombar durante os Jogos. O dinheiro vai quitar a minha faculdade de Direito — comemora a universitária e garota de programa Carla*, de 24 anos.

*Nomes fictícios

Via Extra


Compartilhe nas redes sociais

LEIA OUTRAS NOTÍCIAS QUE ESTÃO BOMBANDO NO BAIXADA VIVA

Próximo post
« Prev Post
Post anterior
Next Post »