Família faz 'investigação paralela' para achar estudante que desapareceu, no Rio


Laryssa de Paulo não tinha o hábito de sair de casa sozinha Foto: Divulgação / Acervo Pessoal

Uma estudante desapareceu no caminho de casa, nesta quarta-feira, no bairro São Jorge, perto de Campo Grande, na Zona Oeste do Rio. Laryssa Alves de Paulo, 15 anos, ia para a casa da mãe, no bairro vizinho de Cosmos, quando foi vista pela última vez. A família, que registrou o caso em uma delegacia da região, está apostando em uma "investigação paralela" para levantar pistas sobre o pesadelo da jovem.

De acordo com a tia da estudante, a ex-vigilante Marici da Silva, de 38 anos, a sobrinha havia passado a última semana na casa de um tio e deveria voltar para a casa da mãe nesta quarta-feira. Antes de sair, a jovem disse que pegaria um ônibus BRT para ir de um bairro a outro.

— Ela pegaria o ônibus e desceria quatro estações depois. Não tinha como se perder. Ela deveria ter chegado em casa em pouco tempo. Já falamos com amigos, fomos em hospitais, no IML (Insituto Médico Legal) e nada — contou Marici, que se surpreendeu quando tentou entrar em contato com a jovem pelo celular e não conseguiu: — O celular dela está dando desligado. O WhatsApp dela está bloqueado, ninguém consegue mandar mensagem. Até a foto dela no aplicativo foi apagada. É tudo muito estranho.

Segundo a tia, a estudante não tinha o hábito de sair de casa desacompanhada, tinha poucos amigos e um namorado, que tem ajudado a família nas buscas para localizá-la. Laryssa saiu de casa apenas com o dinheiro da passagem e o aparelho celular. A família agora tenta levantar informações sobre o que pode ter acontecido com ela.

— O pessoal está refazendo o percusso que ela fez, falando com quem pode tê-la visto, colando cartazes e fazendo buscas em bairros vizinhos. Estamos rodando tudo. Estamos muito nervosos porque nunca passamos por isso — disse Marici.


De acordo com a tia, o caso foi registrado na 35ª DP (Campo Grande). A família espera agora que a polícia consiga imagens de câmeras de segurança do BRT da região para saber se Laryssa de fato pegou o transporte.

— Nesse momento, a gente trabalha com a hipótese de ela nem ter entrado no ônibus — disse a ex-vigilante.


Via Extra
25/08/2016


Compartilhe nas redes sociais

LEIA OUTRAS NOTÍCIAS QUE ESTÃO BOMBANDO NO BAIXADA VIVA

Próximo post
« Prev Post
Post anterior
Next Post »