Mulher arma emboscada para matar o marido em Nova Iguaçu com ajuda de amante e ficar com seguro milionário


Luciana era casada com Carlos há mais de 20 anos. Ela teria planejado, junto com o amante, uma armadilha para o marido. Foto: Reprodução / Rede Record

A Polícia Civil prendeu uma mulher suspeita de armar uma emboscada com a ajuda do amante para matar o próprio marido e ficar com um seguro de R$ 1,2 milhão. 

Após sete meses de investigação, Luciana Helena Almeida de Oliveira foi presa pela DHBF (Divisão de Homicídio da Baixada Fluminense), quando foi buscar o laudo do exame de DNA para conseguir a certidão de óbito de Carlos Alberto de Moraes Teixeira.



A viúva chegou a fazer uma tatuagem em homenagem a Thiago Dias Carvalho, com quem tinha um caso. O suspeito está foragido, mas já teve a prisão temporária decretada.

Para despistar a polícia, a suspeita, que está sendo chama de viúva negra, foi a uma delegacia em Nova Iguaçu e contou que ela e o marido tinha sido sequestrados em Curicica, Jacarepaguá, bairro onde o casal vivia e tinha uma distribuidora de pipas

Luciana disse aos policiais que foi deixada pelos criminosos na Baixada Fluminense. Já o marido, teria sido levado refém pelos bandidos. 

O corpo de Carlos foi encontrado carbonizado dentro do próprio carro no bairro Miguel Couto, em Nova Iguaçu.




A versão contada pela suspeita não convenceu a polícia, que passou a seguir os passos de Luciana e descobriu que ela tinha um amante.

A polícia ainda constatou que em um período de três meses, Luciana teve seis celulares e conversou com o amante 2.100 vezes por telefone.

No depoimento, a viúva contou que os supostos sequestradores jogaram o celular dela pela janela do carro. No entanto, o aparelho foi localizado intacto em um ralo próximo à casa da suspeita. A mentira aumentou a desconfiança dos parentes do empresário

De acordo com o irmão de Carlos, que preferiu não se identificar, a localização do celular intacto foi determinante para aumentar as desconfianças.

— Ela falou que pegaram o celular e jogaram pela janela do carro. Qualquer celular que a gente vê, hoje em dia, se jogar pela janela e bater no chão, ele estoura, quebra todo. O celular estava intacto.

A investigação também teve acesso a imagens de uma câmera de segurança que flagrou um dos suspeitos abandonando o celular no dia do crime.

De acordo com o delegado Giniton Lages, titular da DHBF, o comportamento da mulher logo despertou a atenção dos investigadores.

— As reações dela sempre nos chocaram muito, nos surpreendia a forma como ela se apresentava face àquela ocorrência que trazia. Nós estamos falando de uma convivência de mais de 20 anos e uma mulher que não chora, que não sente o pesar e que ao relatar se preocupou em construir uma história que não se sustentou. Essas contradições e essas versões fantasiosas foram, além de outros indícios que nós coletamos, o que nos levaram à conclusão de que ela foi a mentora intelectual e executora desse plano.



Após o crime, a suspeita vendeu uma lancha, dois táxis, alugou um apartamento, anunciou a casa que Carlos tinha em Angra dos Reis e fez vários empréstimos bancários.

Para os investigadores, o objetivo da mulher era receber o seguro que Carlos fez ao comprar um apartamento no Recreio dos Bandeirantes, na zona oeste, um mês antes do crime. O assassinato completa um ano na próxima semana. Luciana teve a prisão preventiva prorrogada pela Justiça.


Via R7
25/11/2016
  

Compartilhe nas redes sociais

LEIA OUTRAS NOTÍCIAS QUE ESTÃO BOMBANDO NO BAIXADA VIVA

Próximo post
« Prev Post
Post anterior
Next Post »