Pai de jovem morto no BRT afirma que socorro demorou por terem achado que seu filho era bandido




Parentes de Rodrigo dos Santos Lima, de 23 anos, afirmam que houve demora no socorro ao jovem, vítima de três facadas dentro de um ônibus BRT, em Santa Cruz, na Zona Oeste, no último domingo, porque os demais passageiros o confundiram com um assaltante. O boato de que ele seria criminoso se espalhou pela internet e, no dia seguinte, circulava em redes sociais a foto de Rodrigo no chão do ônibus, com uma legenda informando que se tratava de um bandido que havia brigado com outro dentro do coletivo. O jovem trabalhava há mais de um ano num loja de utensílios no Barra Shopping, seria pai em quatro meses e, segundo seu pai, foi vítima de um ataque de pelo menos três assaltantes.

— É muito ruim criar um filho, dar carinho, educação e, quando ele morre, ver as pessoas o chamando de bandido. Ele foi ferido às 22h30 e só chegou ao hospital depois da 1h. Quando acham que é bandido, não socorrem — afirmou o motorista Elias de Lima, de 50 anos, após enterrar o filho, no fim da tarde de ontem, em Santa Cruz.

Rodrigo trabalhava numa loja no Barra Shopping Foto: reprodução



Segundo parentes contaram ao EXTRA, domingo à noite, Rodrigo estava na casa da namorada quando foi avisado que voltaria de férias na segunda-feira. Por isso, avisou ao sogro e à sogra que teria de voltar para casa, em Pedra de Guaratiba. Carlos Alberto Amâncio, de 40 anos, sogro de Rodrigo, diz que ele deixou a casa da família às 22h15 de carona com a sogra, que o deixou, de carro, na estação Cajueiros, onde pegaria o BRT para Pedra de Guaratiba.

— Não sabemos exatamente em que local ele foi alvo dos bandidos, mas o ônibus parou três estações depois, na estação Vendas de Varanda — conta o sogro.

A distância entre Cajueiros e Vendas de Varanda é de cerca de 3km, que seria percorrida de BRT em cerca de 3 minutos a 60km/h, sem contar as paradas. Mas o pai de Rodrigo afirma que ele deu entrada no Hospital municipal Pedro II à 1h10, quase três horas após embarcar no ônibus. A morte foi declarada à 1h21m, segundo certidão de óbito.

Carlos Alberto Amâncio, sogro de Rodrigo: “Ele saiu da minha casa às 22h15” Foto: Thiago Freitas / Extra



Após o EXTRA revelar, ontem, que Rodrigo era trabalhador e não estava roubando quando foi morto, uma das páginas do Facebook que divulgou o boato, a “Bangu News Ao Vivo”, saiu do ar. Outra página que ajudou a espalhar a história falsa, “Praça do Carmo - VP - RJ,” apagou a postagem. Procurado, o BRT disse que “como é prática nos procedimentos adotados para esses casos, a polícia e o Samu foram acionados imediatamente”. Segundo o consórcio, “não houve distinção de tratamento”.

Deboches na rede

Na página “Bangu News ao vivo”, no Facebook, que compartilhou a história falsa, internautas chegaram a debochar da morte de Rodrigo. Mesmo havendo relatos dizendo que o jovem era trabalhador e teria reagido a um assalto, um dos seguidores fez a pergunta: “Dizem que ladrão que rouba ladrão tem cem anos de perdão. E ladrão que mata ladrão?”.

Foto: Thiago Freitas / Extra

Em outra página, “Praça do Carmo - VP - RJ”, um internauta comentou: “Esse vagabundo já vai comemorar finados”. Várias pessoas alertavam para o erro, sem que os comentários parassem.

A namorada de Rodrigo, Larissa Barbosa, grávida de cinco meses, estava muito abalada no enterro. Numa postagem no Facebook, ela diz não acreditar no ocorrido: “Ainda não caiu a ficha (...) o que mais me deixa triste e indignada é saber que tiraram sua vida por um celular”.


Via Extra
03/11/2016


Compartilhe nas redes sociais

LEIA OUTRAS NOTÍCIAS QUE ESTÃO BOMBANDO NO BAIXADA VIVA

Próximo post
« Prev Post
Post anterior
Next Post »