Complexo de Gericinó em Bangu, vive clima de tensão com presos transferidos e tentativa de invasão



Na mesma semana em que dois massacres deixaram 91 mortos em dois presídios no Norte do país, o Complexo de Gericinó, em Bangu, maior complexo prisional do Rio de Janeiro, convive com um clima de tensão. Ao longo da última semana, um racha dentro da facção Amigos dos Amigos (ADA), que domina a Rocinha e o Complexo da Pedreira, motivou a transferência de mais de 300 presos da Penitenciária Jonas Lopes de Carvalho (Bangu 4). Já uma tentativa de invasão de criminosos do Terceiro Comando Puro (TCP) — que domina a Maré e Acari — à galeria ocupada por presos ligados à milícia e ex-PMs provocou pânico na Penitenciária Lemos de Brito (Bangu 6).

Segundo fontes da Polícia Civil e do sistema prisional ouvidas pelo EXTRA, em Bangu 4, os desentendimentos na quadrilha envolvem a participação da facção em roubos de cargas na Zona Norte da cidade. Edmilson Ferreira dos Santos, o Sassá, chefão da ADA que está preso há 11 anos e cumpre pena em presídio federal, estaria insatisfeito com roubos de carga praticados por bandidos oriundos da favela da Quitanda, em Costa Barros. A gota d'água teria sido um mandado de prisão decretado pela Justiça contra Sassá, proveniente de uma investigação da Delegacia de Roubos e Furtos de Cargas (DRFC), por conta da atuação da quadrilha. Insatisfeito, o bandido teria ordenado que Cristiano Santos Guedes, o Puma, chefe do tráfico da Quitanda, entregasse a favela. A solução para o impasse foi definida por Celso Luís Rodrigues, o Celsinho da Vila Vintém, que determinou que os presos ligados à Sassá pedissem transferência.


Segundo o presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários do Rio (Sindaperj), Wilson Camilo, o impasse na quadrilha começou a partir do pacto feito com o Primeiro Comando da Capital (PCC), a maior facção de São Paulo, no ano passado.

— Todo esse grupo que estava em Bangu 4 foi para Bangu 10 (Cadeia Pública José Frederico Marques), que é a porta de entrada do sistema, com presos de todas as facções. Tenho a informação de que 93 presos dessa mesma facção que estavam no Instituto Penal Ismael Pereira Sirieiro, cumprindo pena no regime semiaberto, pediram a transferência — afirma Camilo.

Já na Penitenciária Lemos de Brito (Bangu 6), parentes de presos passaram por momentos de pavor na hora da visita na última sexta-feira, quando presos do TCP tentaram invadir a galeria ocupada por integrantes de milícias e ex-PMs. De acordo com Wilson Camilo, na ocasião, um agente penitenciário foi expulso da galeria ocupada pelos traficantes, e os presos começaram a bater no portão que divide as galerias. Na última terça-feira, agentes fizeram uma inspeção nas celas ocupadas pela facção e encontraram a cela 5 da galeria B3 serrada. Após a inspeção, três presos foram para o Regime Disciplinar Diferenciado (RDD).

— Desde 2007, o TCP e a milícia ficam presos na mesma unidade. O clima sempre foi de animosidade, mas estourou essa semana. Agora, os traficantes estão exigindo a separação, querem a cadeia só para eles. E, no meio disso, estão os agentes penitenciários, expostos a um risco extremo — conta Camilo.

Ao EXTRA, parentes de presos contaram que o culto que seria realizado nesta sexta-feira à noite no presídio com integrantes das duas galerias foi cancelado. Segundo Camilo, o Grupo de Intervenção Tática (GIT) está de prontidão em Bangu 6. A Secretaria estadual de Administração Penitenciária (Seap) alega que “a situação é de normalidade dentro das unidades prisionais”.


Via Extra
07/01/2017

Compartilhe nas redes sociais

LEIA OUTRAS NOTÍCIAS QUE ESTÃO BOMBANDO NO BAIXADA VIVA

Próximo post
« Prev Post
Post anterior
Next Post »