Homem que atirou rojão em bebê será indiciado por homicídio culposo

Rafael, Vanessa e Raphaelly: filha única do casal Foto: Arquivo pessoal

A pessoa que atirou o rojão que matou Raphaelly Alvez Rocha da Silva, de 10 meses, na noite da virada, será indiciada por homicídio culposo — quando não há intenção de matar —, de acordo com o delegado Rodolfo Waldeck, titular da 32ª DP (Taquara), que conduz a investigação. O responsável por soltar o artefato já foi identificado pela polícia, que aguarda apenas o resultado da perícia para indiciá-lo. O Código Penal prevê detenção de um a três anos para esse tipo de crime.

— Houve homicídio culposo. Foi um acidente. Já ouvimos os responsáveis pela criança e vizinhos que socorreram e viram o que aconteceu. Ainda essa semana vamos fazer uma perícia para que tudo seja esclarecido — afirma Waldeck.


O pai da criança também foi atingido
O pai da criança também foi atingido Foto: Arquivo Pessoal

Para a balconista Vanessa Cristina, de 35 anos, a filha foi "vítima de uma fatalidade". Segundo ela, o rojão partiu de um vizinho que soltava fogos na rua onde a família mora, na Taquara, na Zona Oeste do Rio. Ao ser atingido, o bebê estava no colo do pai, Rafael Alves de 34 anos, que também sofreu queimaduras nas costas. Ambos foram levados para o Hospital municipal Lourenço Jorge, na Barra, mas Raphaelly não resistiu.

— A gente estava se preparando para dormir e a luz apagou, deu um blecaute. Meu marido pegou a Raphaelly no colo e levou ela para a laje da nossa casa. De repente, ele virou para o lado e viu uma bola de fogo. Foi um vizinho que estava soltando fogos na rua desde cedo. Foi um acidente, ele não queria matar minha filha — conta Vanessa.

Raphaelly, de 10 meses, morreu após ser atingida por um rojão Foto: Arquivo pessoal

Única filha
A menina era a única filha do casal, que não poderá ter outra gravidez. Quando Raphaelly nasceu, Vanessa teve uma infecção hospitalar e precisou retirar o útero e os ovários. Após enterrar a filha, ela tenta guardar de Raphaelly uma lembrança feliz:

— Ela era uma criança doce, amava o mundo e as pessoas. Era risonha demais. Foi muito bonito ser mãe dela, mesmo que só por pouco tempo.


Via Extra
03/01/2017


Vanessa diz que morte de Raphaelly foi fatalidade. Rafael ficou ferido Foto: Arquivo pessoal


Compartilhe nas redes sociais

LEIA OUTRAS NOTÍCIAS QUE ESTÃO BOMBANDO NO BAIXADA VIVA

Próximo post
« Prev Post
Post anterior
Next Post »