PMs pagam consultas do próprio bolso e enfrentam fila de 12 horas para pedir licença



Policiais militares denunciam que estão tendo de enfrentar 12 horas de fila no Hospital Central da Polícia Militar (HCPM), no Estácio, para fazer pedidos e prorrogação de licenças médicas. Além da falta de pagamento, eles também estão sem tratamento psiquiátrico desde setembro, quando o setor foi fechado na unidade de saúde por falta de médicos, conforme mostrou o EXTRA na época, e dizem estar sendo orientados a custear consultas particulares do próprio bolso.

Policiais que estavam na Seção de Perícias Médicas do HCPM nesta segunda-feira contaram ter chegado às 3h da manhã para conseguir atendimento e só pegaram o documento que garante o afastamento às 15h30.

— Estamos sendo orientados a pagar uma consulta particular com um psiquiatra, que custa R$ 150, isso sem receber salário, para trazer o laudo aqui e conseguir a ata que garante o afastamento — disse um dos PMs, que pediu para não ser identificado.

Espera: 12 horas de fila para pedidos e prorrogação de licenças Foto: Reprodução

O EXTRA esteve nesta segunda no setor de Psiquiatria do hospital e encontrou as portas fechadas novamente. Em setembro, dos seis psiquiatras que trabalhavam no ambulatório até o fim de junho, três deles pediram baixa e outros dois entraram de licença médica em setembro.

Afastado há oito meses, depois de ver dois colegas serem mortos enquanto trabalhava na UPP do Morro do Alemão, o soldado Mendes chegou no local às 3h da manhã. Depois de 12 horas de espera, conseguiu a prorrogação, por mais 30 dias, de sua licença médica. Ele explica que é necessário madrugar porque o atendimento diário é limitado.

Um outro policial, que também chegou às 3h, diz que são distribuídas 35 senhas por dia, mas nesta segunda-feira o local esteva mais cheio do que de costume porque o perito responsável pela psiquiatria entrou de férias e não houve atendimento na sexta, acumulando os pedidos para esta segunda, quando um novo apareceu para cobrí-lo, o que gerou filas e reclamações. Os policiais ainda tinham que dividir espaço com um vazamento de esgoto na sala de espera.

Procurada por meio de assessoria de imprensa, a Polícia Militar não deu retorno até o momento sobre o caso.


Via Extra
10/01/2017

Compartilhe nas redes sociais

LEIA OUTRAS NOTÍCIAS QUE ESTÃO BOMBANDO NO BAIXADA VIVA

Próximo post
« Prev Post
Post anterior
Next Post »